Português | English 
Menu

LUCRATIVO E DE IMPACTO POSITIVO

O VERENA acredita que a silvicultura tropical de espécies nativas pode se tornar uma das mais importantes atividades para o Brasil cumprir suas metas nacionais e internacionais de reflorestamento e recuperação de áreas e florestas degradadas, com benefícios sociais, ambientais e econômicos.

Viabilizar o reflorestamento com espécies nativas em larga escala pode gerar múltiplos benefícios para o país e constituir uma das mais importantes contribuições do setor produtivo para o compromisso nacional no Acordo do Clima (NDC brasileira). Dentre as principais metas no que diz respeito ao uso da terra até 2030, estão: restauração e reflorestamento de 12 milhões de hectares de florestas para múltiplos usos; restauração adicional de 15 milhões de hectares de pastagens degradadas; e incremento de 5 milhões de hectares de sistemas de integração lavoura-pecuária-floresta (iLPF). O VERENA e parceiros podem dar uma contribuição relevante no cumprimento de parte dessas metas fundamentais para a economia do Brasil e para a sustentabilidade ambiental planetária.

Tratar o reflorestamento de espécies nativas como atividade produtiva em larga escala representa o fim da fronteira ideológica que por muito tempo separou a restauração ecológica da silvicultura de produção. Hoje, ambas podem compartilhar do objetivo comum de descarbonizar a economia no esforço mundial para conter o aquecimento global em até 1,5 graus Celsius até o fim do presente século frente aos níveis pré-Revolução Industrial, em cumprimento ao Acordo de Paris.

Porém, o ganho de escala desse modelo exige a estruturação de informações de mercado ainda muito dispersas, além do desenvolvimento de novos mercados e de modelagens econômicas robustas, aplicáveis a diferentes perfis produtivos, e que permitam o cálculo do retorno sobre o investimento (ROI) e do risco.

O impulso a melhorias que ampliem a produtividade — a exemplo de aperfeiçoamento genético das espécies ou aprimoramento das práticas de manejo e redução de custos por meio de um programa de Pesquisa & Desenvolvimento — e o fortalecimento das regulações e do combate à ilegalidade no desmatamento e na exploração de madeira de produtos nativos são alguns pilares da atividade em que o VERENA concentra esforços. O estabelecimento de instrumentos econômicos de incentivo, em particular os ligados a externalidades, como carbono, água e biodiversidade, também são foco dos esforços do projeto.

Somado ao viés comercial, que beneficia diretamente investidores e produtores rurais que adotem essa cultura, o reflorestamento com espécies nativas viabiliza grandes ganhos ambientais e socioeconômicos:

     * permite a captura de carbono em larga escala;
     * impacta positivamente a geração de empregos e renda nos meios rurais;
     * contribui para a recuperação do solo e a produção de água em mais quantidade — e com qualidade;
     * diminui a pressão sobre as florestas, freando o desmatamento ilegal e a extração ilegal de madeira e de produtos florestais;
     * contribui para a conservação da biodiversidade;
     * aumenta a resiliência das paisagens e comunidades.